SED
EMPRESA  PARA  O  DESENVOLVIMENTO  DO  TURISMO  DE  AVENTURA
 
INICIO > SERPENTES E PEDRA NEGRA
 

O QUE SE DEVE FAZER
E SOBRETUDO O QUE NÃO SE DEVE FAZER
EM CASO DE MORDIDELA DE SERPENTE

 
 

Informações úteis

Esta informação não se pode substituir ao seu médico de família. A informação disponibilizada não dispensa de maneira alguma de consultar os serviços de saúde.  

Ao contrário do que se pensa, não existe veneno mortal em poucos minutos. O único risco grave que existe nos minutos a seguir à mordidela é o risco de choque anaphylactico (choque por alergia grave). Mas não se deve a toxicidade do veneno, mas a uma reacção alérgica gravíssima do organismo. O mesmo choque pode acontecer por uma picadela de vespa ou a comer morangos. O veneno das serpentes servem para neutralizar as presas, e a facilitar uma pré digestão. A toxicidade do veneno é dose-dependente, o que significa que é proporcional a quantidade de veneno injectado. O que explica a baixa mortalidade do homem em caso mordidela de serpente (glândulas de veneno que não estão completamente cheias no momento da mordidela ou evacuação imperfeita pelos canais do veneno, por exemplo). A 3 tipos de serpentes venenosas.

 

As serpentes com veneno “enzimático” ou chamado “hemotóxico”


Provoca uma necrose na zona mordida, com uma extensão mais ou menos importante. A mordidela é muito dolorosa com edema importante. A zona mordida fica com uma cor violeta e hemorrágica. A gangrena e a infecção instalam-se, se não houver tratamento. Quanto mais sedo for o tratamento, menos a zona necrótica será importante. Este tipo de envenenamento quase nunca é mortal mas é o mais doloroso.

As serpentes com veneno “neurológico”


E um veneno paralisante que se pode comparar com o curare. As paralisias aparecem de uma a três horas depois. Elas afectam primeiro os músculos estriados.  Depois sobem até atingir as sobrancelhas, os músculos da deglutição e por fim os músculos respiratórios. O tratamento consiste numa assistência respiratória em cuidados intensivos de maneira a passar a fase crítica. Na falta de tratamento a vítima pode morrer por asfixia. Os outros sinais da intoxicação pelos neurotóxicos, são problemas visuais, hipersalivação, olhos a chorar, transpirações, aceleração da motricidade digestiva (diarreias, vómitos), abrandamento do ritmo cardíaco e problemas de comportamento com agitação e sonolência.

As serpentes com veneno “misto”


Estão na origem dos envenenamentos mais graves. Associam uma acção neurotóxica e hemotóxica. O quadro clínico é dominado pela dor, mas é o risco de paralisia respiratória que põem em perigo a vitima que pode morrer em poucas horas. Este tipo de envenenamento é o mais perigoso.

Conselhos em caso de mordidela

O princípio de base é fazer tudo para abrandar a difusão do veneno.
Temos de abrandar o ritmo cardíaco ou pelo menos evitar que acelere.

 

> Não correr, aumenta a frequência cardíaca.
> Deitar a vítima e ficar em repouso.
> Não por um garrote, é inútil e perigoso.
> Não aspirar o veneno com a boca, é inútil para a vítima e perigoso para o assistente.
> Não cortar a ferida, favorece a difusão do veneno.
> Se possível e sem arriscar inutilmente, identificar a serpente. Do tipo de serpente depende
o tratamento adequado.
> Limpar a ferida com sabão e desinfectar, não utilizar álcool nem éter, não só não são ineficazes como favorecem a difusão do veneno.
> Tirar todos os garrotes potenciais, como anéis, braceletes, relógios, para não estorvar a circulação sanguínea se o edema vier a inchar.  
< Se possível por sem apertar demasiado, uma ligadura, para bloquear a circulação linfática utilizada pelo veneno para se estender, tendo atenção a não cortar a circulação sanguínea (verifique que pode passar um dedo entre a pele e a fita), não se trata de fazer um garrote.
> Se for num membro superior, imobilizar com um lenço contra o peito, o cotovelo dobrado a ângulo recto. Se for num membro inferior, imobilizar com uma tela improvisada.
> Calmar a dor, evitar aspirina e derivados, nem anti-inflamatórios (risco de hemorragia). Se tiver gelo, por num saco plástico, envolver com um pano e aplicar por cima da mordidela. O gelo é um anti-inflamatório que diminui a dor o edema.
> Acalmar a ansiedade.
> Não beber álcool, café, chá, aumenta a frequência cardíaca e favorece a difusão do veneno.
> A aplicação de calor perto da ferida e ineficaz para o veneno de serpente.
> Evacuar o doente.

Não injecte sérum antiveneno, produto que só deve de ser utilizado no hospital, porque existe um risco de alergia.

Uma mordidela de serpente não significa automaticamente envenenamento, a dor não é um factor de gravidade, e lembrem-se que o envenenamento é dose-dependente.

O veneno é injectado profundamente, o aspirador de veneno é inútil mas na medida que não se corte a ferida, não é perigoso e tem a vantagem de tranquilizar a vítima.

Precauções e bom senso

> Fazer barulho ao caminhar é valido para afastar qualquer presença animal.
> Andar com botas ou sapatos fechados, meias e calças compridas para caminhar nas hervas altas.
> Olhe bem onde põe os pés e onde se assenta.
> Verificar sempre o saco de cama, a roupa e os sapatos antes de utilizar.
> Não tente de capturar a serpente.
> Não ponha as mãos em qualquer buraco ou debaixo das pedras.
> Não viaje sozinho.

 

 
 
  A PEDRA NEGRA  
   
 

Proveniente da Índia, a Pedra Negra chegou à Europa por volta de 1650. Ela é mencionada pela primeira vez num documento de vulgarização sobre os costumes do extremo oriente que data de 1656. É uma técnica utilizada pelos Xamãs africanos, recentemente introduzida na Europa pelos “Pères Blancs” (Pais Brancos, missionários belgas). A pedra Negra ou Pedra dos missionários é utilizada como anti-veneno. Do que eu consegui saber, é um osso de Rena seco, desidratado por carbonização e trabalhado com raízes de plantas de maneira a obter uma esponja. Ela é terrivelmente hidrófila, a sua textura faz com que ela atraia a água, e só se descola quando está completamente embebida.

É principalmente utilizada contra as mordidelas de serpentes, escorpiões e outros animais venenosos, mas igualmente contra as picadelas mais perigosas como as medusas, tarântulas, abelhas, zangões, vespas, aranhas, abcessos, ect…

Quando nos ferimos, há muitos glóbulos brancos que vem ajudar para lutar contra as infecções, quanto maior a infecção, mais a quantidade de glóbulos brancos que vem proteger do veneno. Os glóbulos brancos são muito mais pequenos que os glóbulos vermelhos e agitam-se por todo lado, na proximidade da ferida o sangue é mais quente e mais liquido. O tamanho dos glóbulos brancos correspondem com a porosidade do osso de Rena que vais aspirá-los por preferência e por capilaridade, eu acho que o segredo desta pedra reside nesta coincidência.

É mais eficaz que o aspirador de veneno porque age logo e durante muito tempo. Enquanto a Pedra não estiver saturada de líquido, continua a colar á pele.

Maneira de utilizar

Faça um ponto de compressão com a Pedra Negra o mais rapidamente possível em cima da mordidela. É importante que haja um pouco de sangue, a pedra quando entra em contacto com o sangue vai se colar a pele para fazer um efeito de ventosa e aspirar o veneno. Uma vez o veneno aspirado a pedra vai se descolar. Portanto é recomendado por uma ligadura à volta da pedra para evitar que ela caia sem querer, depois é só controlar todos os dias, se ela se descolou.

A Pedra Negra é reutilizável, basta limpá-la bem depois de cada utilização. Pô-la dentro de água quente durante 1 hora, esperar que as bolhinhas parem. Depois dentro de leite durante 2 horas e deixar arrefecer durante 48 horas, lavar com água fresca e deixar secar ao ar livre.

Acredita quem quiser, mas este princípio não tem nada de “bruxaria”, como muita gente diz. A sua eficácia não está reconhecida cientificamente, que eu saiba até hoje, só ouve um estudo feito sobre ela (1). Mas se lermos bem o texto todo do estudo, a pedra utilizada foi comprada numa banca dum mercado africano, coisa que não é nada recomendado. Em contra partida existem inúmeros testemunhos a seu favor. Por mim tenho relativamente confiança e é por isso que tenciono experimentar pessoalmente. Eu sei que é também muito utilizada por Aventureiros e pessoal humanitário. Tenho de acrescentar que de todas as maneiras, é só o meu ponto de vista e não envolve mais ninguém, agora cada um é livre da sua opinião sobre este assunto.

Queria também acrescentar que ela é relativamente frágil, é recomendado de a por dentro de uma caixa rígida quando transportada no bolso. Eu já parti duas.

Atenção também as contrafacções, não é uma pedra que se compre nos mercados africanos. Para verificar a sua eficácia, aplicar a pedra na parte interior do lábio, se ela colar? É bom sinal.

Faz parte dos meus tópicos dos Cursos de Sobrevivência da SED e quem quiser adquirir uma pode falar comigo.

(1) Étude de l’action de la pierre noire sur l’envenimation expérimentale
Autores do estudo:

Jean-Philippe Chippaux
Institut de recherche pour le développement (IRD)
BP 9214, La Paz
Bolivia

Ismaila Diédhiou
Institut de recherche pour le développement (IRD)
BP 1386, Dakar
Sénégal

Roberto Stock
Instituto de biotecnologia, Universidad nacional de Mexico (Unam)
Av. Universidad 2001
Cuernavaca
Morelos 62210
Mexico

 
 
  EQUIPAMENTO PARA DESPORTOS DE AVENTURA  
 
  INICIO  

 

epda Explorer FaceBook TugaWolf Global Systema Salutec epda